campanha

downloadNo último dia 31 de janeiro, apresentamos publicamente o projeto do novo complexo da Flaskô, compreendendo os passos necessários para continuarmos a luta pela defesa dos postos de trabalho, a continuidade da atividade industrial e todas as conquistas de quase 12 anos de controle operário, apoiando as reivindicações dos trabalhadores junto ao Grupo de Trabalho criado pelo Governo Federal com o objetivo de analisar a possibilidade de adjudicação por interesse social de toda a propriedade da fábrica.

Adjudicação é o ato judicial pelo qual se declara que a propriedade de bens móveis e/ou imóveis (no caso os da Flaskô) é transferida de seu primitivo dono (no caso o patrão) para o credor de dívidas (no caso o Estado, representado pela Fazenda Nacional), que então assume sobre os bens todos os direitos de domínio e posse. Mas no caso da Flaskô, as negociações estão sendo feitas com o governo no sentido de considerar o interesse social e público para os bens e manter a gestão e, portanto a posse da Flaskô sobre o controle do coletivo de trabalhadores da fábrica.

Diversas organizações e representações estiveram presentes para melhor conhecer os passos que estão dados, discutindo como podem somar forças e impulsionar a campanha pela aprovação dos pleitos junto ao Grupo de Trabalho criado.

Ao final, todos os presentes subscrevem a carta de apoio que segue abaixo, comprometendo-se em ajudar a divulgar a campanha, coletando mais assinaturas, realizando debates e atividades sobre a luta Flaskô, criando comitês de apoio a campanha bem como aprovando as moções em direção ao Grupo de Trabalho.

Pedimos, portanto, para que se somem a esta campanha, aprovando a carta de apoio em sua organização, entidade, movimento, coletivo, etc. (ou a título individual) e insiram a adesão pelo formulário abaixo. Para que possamos sistematizar todo os apoios e depois apresentar ao Grupo de Trabalho. Nosso objetivo é conseguir mil assinaturas em dois meses.

Viva a luta dos trabalhadores da Fábrica Ocupada Flaskô! Adjudicação por interesse social, já!

 

Uma reunião com movimentos sociais e ativistas da comunicação das cidades de Valinhos, Campinas e Hortolândia teve como pauta a democratização da Comunicação.

A reunião teve como foco debater, analisar e propor políticas para a democratização da Comunicação em Campinas, além de debater a criminalização das Rádios Comunitárias, o monopólio da Comunicação na cidade e a participação dos movimentos sociais na Campanha "Para Expressar a liberdade" que pretende arrecadar 1 milhão e 500 mil assinaturas para um Projeto de Iniciativa Popular que regulamenta os artigos 220 ao 224 da Constituição definindo regras sobre a propriedade cruzada, monopólios, regionalização, produção independente dentre outros temas importantes para o Controle social da Mídia.

O debate analisou o tema com profundidade, principalmente sobre o protagonismo dos movimentos sociais nos debates sobre a Comunicação Brasileira, Regional e seu papel de criminalização dos Movimentos sociais.

Além da luta política para a democratização das Comunicações brasileiras, também foram analisados o foco do tema em questão que ainda se prende as amarras de conceitos acadêmicos e distante da realidade dos movimentos sociais históricos.

Torna-se necessário neste momento debater com os movimentos sociais o papel da comunicação na difusão de valores contrários aos interesses populares.

Neste sentido, para aprofundar os debates sobre o tema, foi criado um Comitê Regional para a democratização da Comunicação cujo papel é construir um movimento social forte e combativo para a luta de classes da comunicação brasileira e regional.

Este comitê terá como função levar às ruas o debate da Campanha "Para Expressar a Liberdade", a articulação e defesa das Rádios Comunitárias contra as investidas da Anatel e do monopólio, instrumentalizar os movimentos sociais sobre o papel estratégico da comunicação para a luta dos movimentos sociais e principalmente fazer luta política para que o processo movido pelo Sindicato dos radialistas contra o Monopólio da Rede Record em Campinas ganhe corpo.

Uma nova reunião acontecerá no próximo dia 02 de Maio às 19:00 horas no MUSEU DA IMAGEM E DO SOM DE CAMPINAS - MIS (Rua Regente Feijó, 837, Centro, Campinas), na qual todas as entidades dos movimentos sociais, militantes e ativistas desde já estão convidados para se somar a esta luta.

Não acreditamos mais em reuniões fechadas e promessas!

 

Na manhã desta quinta-feira, cerca de 200 famílias da Ocupação Zumbi dos Palmares ocupam na região do Nova Veneza (Sumaré) a reunião que ocorre no Seminário (órgão da Prefeitura Municipal de Sumaré), onde mais uma reunião foi prometida com o MTST.
As partes envolvidas no despejo das 250 famílias que ocupam o terreno Jardim Denadai tem feito pouco para evitar um possível despejo sangrento na região, nos moldes do Pinheirinho em São José dos Campos.
Resistiremos até que as famílias conquistem suas moradias definitivas! Chega de enrolação!
MTST! A Luta é pra valer!