Categorizado | Campo, Destaque

MST ocupa terra grilada pela Usina Ester em Americana

Escrito em 24 novembro 2011 por admin

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocupou no dia 6 de agosto uma terra usada irregularmente pela Usina Ester em Americana. A área pertence ao INSS e deveria ser destinada para reforma agrária. As famílias que ocuparam a área querem produzir alimentos nesta terra.

A resistência das famílias

Na terça-feria, dia 23 de agosto, 17 dias após a ocupação, houve uma tentativa de despejo por parte da polícia. Nem o INCRA nem o ITESP haviam se manifestado sobre a terra. As 600 famílias que estavam lá no momento contaram com a solidariedade de estudantes, sindicatos e outros movimentos – fábricas ocupadas e sem-teto. Conseguiram resistir. O despejo foi adiado.

No dia 26 de agosto, após uma audiência pública realizada em Bauru – SP em que estiveram presentes a coordenação do MST, parlamentares, apoiadores da reforma agrária e representantes do INCRA nacional, o Desembargador Gercino José da Silva Filho, ouvidor agrário nacional e presidente da Comissão Nacional de Combate à violência no campo, emitiu um documento no qual pediu ao judiciário para que adiasse a reintegração de posse da área ocupada. O desembargador também indicou a necessidade da área ser investigada pelo INCRA. O INCRA se comprometeu a fazer uma investigação da situação da área.

Juiza ignorou pedido do ouvidor agrário

Mesmo assim, a juiza ignorou o pedido de ouvidor agrário e mandou despejar as famílias. Foi uma noite aterrorizante para todos. As famílias ficaram assustadas. O despejo ocorreu na manhã do dia 1 de setembro, sem resistência.

A Luta continua!

No sábado, dia 10 de setembro, 700 famílias reocuparam a área do sítio Boa Vista, onde permanecem até hoje. Exigem do governo que se cumpra a lei, a terra deve cumprir sua função social. A reforma agrária deve ser feita imediatamente. A terra não deve servir aos usineiros, que lucram invadindo irregularmente a terra, e sim às famílias, que querem plantar alimentos.

Porque ocupar?

O Brasil é um dos países mais desiguais do mundo. Apesar de todas as propagandas do governo, continua a existir miséria, pobreza, desemprego.

No campo, o Brasil foi eleito o país com maior concentração de terras no mundo. 1% dos proprietários de terra possuem 48% das terras agricultáveis do país. Milhões de hectares de terras públicas são invadidas por grandes empresas do agronegócio e o governo nada faz. Ao contrário, expulsa com violência as famílias sem terra quando tentam denunciar esses crimes. Essas grandes empresas plantam produtos para exportação, usando agrotóxicos que prejudicam o meio ambiente e a saúde de quem consome estes alimentos.

Nas cidades, o povo sofre com desemprego e baixos salários. Uma das maiores dificuldades dos trabalhadores é ter que pagar aluguel e garantir um lugar decente para viver com sua família. Enquanto isso, proprietários de casas, apartamentos e prédios inteiros abandonam seus imóveis que valorizam cada vez mais sem pagar um real de imposto às prefeituras. Isso se chama especulação imobiliária. Na cidade de São Paulo, segundo matéria publicada na Folha, existem cerca de 400 mil imóveis vazios, moradia suficiente para todos os sem-teto da cidade. Com a copa do mundo, as olimpíadas, o PAC e os projetos de “limpeza” urbana, milhares de famílias já estão sendo expulsas de suas casas sem qualquer solução decente para a moradia. Em geral as prefeituras dão um cheque de cerca de 10 000 reais pra cada família e esperam que se virem para achar um novo local para morar com este valor ridículo.

Esse é o jeito que o poder público lida com a pobreza e as dificuldades do povo: migalhas, indiferença, violência!

Por isso movimentos sociais como o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) e o MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) surgem para que o povo possa lutar por seus direitos. Os direitos à terra e à moradia estão previstos na lei. Porém a lei só é cumprida nesse país com muita pressão social. A forma que esses movimentos sociais encontraram para fazer essa pressão e serem ouvidos pelas autoridades é a OCUPAÇÃO de terras no campo e de terrenos nas cidades.

Apenas com a união dos trabalhadores do campo e da cidade e com as ocupações combativas iremos garantir uma vida digna aos trabalhadores e trabalhadoras desse país.

O Brasil é um dos países mais desiguais do mundo. Apesar de todas as propagandas do governo, continua a existir miséria, pobreza, desemprego.
No campo, o Brasil foi eleito o país com maior concentração de terras no mundo. 1% dos proprietários de terra possuem 48% das terras agricultáveis do país. Milhões de hectares de terras públicas são invadidas por grandes empresas do agronegócio e o governo nada faz. Ao contrário, expulsa com violência as famílias sem terra quando tentam denunciar esses crimes. Essas grandes empresas plantam produtos para exportação, usando agrotóxicos que prejudicam o meio ambiente e a saúde de quem consome estes alimentos.
Nas cidades, o povo sofre com desemprego e baixos salários. Uma das maiores dificuldades dos trabalhadores é ter que pagar aluguel e garantir um lugar decente para viver com sua família. Enquanto isso, proprietários de casas, apartamentos e prédios inteiros abandonam seus imóveis que valorizam cada vez mais sem pagar um real de imposto às prefeituras. Isso se chama especulação imobiliária. Na cidade de São Paulo, segundo matéria publicada na Folha, existem cerca de 400 mil imóveis vazios, moradia suficiente para todos os sem-teto da cidade. Com a copa do mundo, as olimpíadas, o PAC e os projetos de “limpeza” urbana, milhares de famílias já estão sendo expulsas de suas casas sem qualquer solução decente para a moradia. Em geral as prefeituras dão um cheque de cerca de 10 000 reais pra cada família e esperam que se virem para achar um novo local para morar com este valor ridículo.
Esse é o jeito que o poder público lida com a pobreza e as dificuldades do povo: migalhas, indiferença, violência!
Por isso movimentos sociais como o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) e o MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) surgem para que o povo possa lutar por seus direitos. Os direitos à terra e à moradia estão previstos na lei. Porém a lei só é cumprida nesse país com muita pressão social. A forma que esses movimentos sociais encontraram para fazer essa pressão e serem ouvidos pelas autoridades é a OCUPAÇÃO de terras no campo e de terrenos nas cidades.
Apenas com a união dos trabalhadores do campo e da cidade e com as ocupações combativas iremos garantir uma vida digna aos trabalhadores e trabalhadoras desse país.

O Brasil é um dos países mais desiguais do mundo. Apesar de todas as propagandas do governo, continua a existir miséria, pobreza, desemprego.No campo, o Brasil foi eleito o país com maior concentração de terras no mundo. 1% dos proprietários de terra possuem 48% das terras agricultáveis do país. Milhões de hectares de terras públicas são invadidas por grandes empresas do agronegócio e o governo nada faz. Ao contrário, expulsa com violência as famílias sem terra quando tentam denunciar esses crimes. Essas grandes empresas plantam produtos para exportação, usando agrotóxicos que prejudicam o meio ambiente e a saúde de quem consome estes alimentos.Nas cidades, o povo sofre com desemprego e baixos salários. Uma das maiores dificuldades dos trabalhadores é ter que pagar aluguel e garantir um lugar decente para viver com sua família. Enquanto isso, proprietários de casas, apartamentos e prédios inteiros abandonam seus imóveis que valorizam cada vez mais sem pagar um real de imposto às prefeituras. Isso se chama especulação imobiliária. Na cidade de São Paulo, segundo matéria publicada na Folha, existem cerca de 400 mil imóveis vazios, moradia suficiente para todos os sem-teto da cidade. Com a copa do mundo, as olimpíadas, o PAC e os projetos de “limpeza” urbana, milhares de famílias já estão sendo expulsas de suas casas sem qualquer solução decente para a moradia. Em geral as prefeituras dão um cheque de cerca de 10 000 reais pra cada família e esperam que se virem para achar um novo local para morar com este valor ridículo. Esse é o jeito que o poder público lida com a pobreza e as dificuldades do povo: migalhas, indiferença, violência!Por isso movimentos sociais como o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) e o MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) surgem para que o povo possa lutar por seus direitos. Os direitos à terra e à moradia estão previstos na lei. Porém a lei só é cumprida nesse país com muita pressão social. A forma que esses movimentos sociais encontraram para fazer essa pressão e serem ouvidos pelas autoridades é a OCUPAÇÃO de terras no campo e de terrenos nas cidades. Apenas com a união dos trabalhadores do campo e da cidade e com as ocupações combativas iremos garantir uma vida digna aos trabalhadores e trabalhadoras desse país.

O QUE É GRILAGEM DE TERRAS?

A grilagem de terras é um crime grave muito praticado no Brasil. Os grileiros, nome dado a esses criminosos, são grandes fazendeiros que pegam ilegalmente terras PÚBLICAS, através da falsificação de documentos.

Os fazendeiros corruptos grilam terras de várias formas: expulsam com violência os pequenos produtores (chamados posseiros) de suas terras; simplesmente invadem e cercam uma terra abandonada; ou utilizam nomes falsos, conhecidos como “laranjas”, para se apossar da terra. Por trás disso tudo existe também uma grande corrupção de funcionários públicos e políticos interessados na grilagem.

Existem hoje no Brasil cerca de 100 milhões de hectares de terras griladas*. As grandes empresas do AGRONEGÓCIO** são hoje as maiores grileiras de terras em nosso país. A Usina Esther é uma delas. Essa empresa é uma das mais ricas produtoras de cana de açúcar e grila terras por todo o Brasil. Os governos em geral sabem que essas empresas grilam terras públicas e fazem vista grossa, protegendo os ricos e reprimindo o povo sem terra.

Enquanto milhares de trabalhadores e trabalhadoras sem-terra lutam por um pedacinho de terra para sustentar a família e produzir alimentos saudáveis, essas empresas se beneficiam de terras PÚBLICAS, com a ajuda dos políticos. Elas controlam a nossa riqueza e tiram o pão da boca do trabalhador.

*1 hectare de terra é igual a 10.000 m2. Essa medida equivale aproximadamente a 1 campo de futebol.

**Agronegócio é o conjunto das grandes empresas da agricultura e da pecuária. Essas empresas dominam o campo com a monocultura de cana-de-açúcar, laranja, eucalipto e soja para exportação. O Agronegócio não está interessado em produzir alimentos para a população.

Deixe uma resposta