Categorizado | Destaque, Fábrica Ocupada

Flaskô comemora oito anos sob controle operário

Escrito em 04 agosto 2011 por admin

  • HISTÓRIA

A Flaskô é uma fábrica de transformação de plástico. Produz vários modelos de embalagens industriais, chamados de tambores ou bombonas. Tem cerca de 90 trabalhadores atualmente, mas chegou a ter 600 em seu auge. Foi fundada no final dos anos 70 e pertencia à Corporação Holding do Brasil (CHB).

A CHB também era dona das marcas Cipla e Interfibra e integrou o Grupo Hansen Industrial S.A. até 1992, ano da partilha de bens familiar ocasionada pela morte de João Hansen Júnior (sócio fundador). Luís Batschauer (que era casado com Eliseth Hansen) e seu irmão Anselmo assumem a CHB, mas perdem a massa de capital do Grupo Hansen necessária para a modernização tecnológica.

Assim, enquanto as outras empresas do grupo cresciam, a CHB começa a definhar as fábricas sob seu comando. No entanto, os trabalhadores da Flaskô não assistem a tudo isso passivamente. Há registros de greves em 1994 e 1997 contra a jornada de até 12 horas, baixos salários e não cumprimento de acordos trabalhistas. Porém, uma mudança significativa na fábrica só foi possível após a ocupação e o estabelecimento do controle operário.

  • Neto de Trotsky visita a Flaskô

Para comemorar os oito anos sob controle operário, a Flaskô trouxe o neto do Trotsky. De cabelos brancos e olhos claros, aos 85 anos, Esteban Volkov foi o único sobrevivente da família de Trotsky. Na década de 30, o revolucionário russo e seus familiares foram mortos, no México, a mando de seu rival político, Stalin. Mas, Esteban, na época com 14 anos, sobreviveu. Durante o evento, o neto de Trotsky enfatizou que sua missão é propagar a verdade diante de algumas histórias sobre seu avô. Ele deixou evidente sua postura em preservar a memória de Trotsky e dizer as pessoas que o sistema de governo comandado por Stalin não era o ideal para o seu avô, e por isso Trotsky foi assassinado.

Deixe uma resposta