Categorizado | Poemas

Poemas de Nicolás Guillén

Escrito em 04 agosto 2011 por admin

Nicolás Guillén (Cuba, 1902-1989)

Guillén é conhecido como maior poeta cubano ao lado de José Martí. Foi um dos maiores defensores da revolução cubana assim que ela aconteceu em 1959. Suas poesias falam da revolução cubana, da luta dos negros e do amor.

A FOME

Esta é a fome. Um animal

todo canino e olho.

Ninguém o engana ou distrai.

Não se farta em uma mesa.

Não se contenta

com um almoço ou uma ceia.

Anuncia sempre sangue.

Ruge como leão, aperta como jibóia,

pensa como pessoa.

O exemplar que aqui se oferece

foi caçado na Índia (subúrbios de Bombaim),

mas existe em estado mais ou menos selvagem

em outras muitas partes.

Não se aproxime.

BURGUESES

Não me dão pena os burgueses vencidos.

E quando penso que vão me dar pena,

aperto bem os dentes e fecho bem os olhos.

Penso em meus longos dias sem sapatos nem rosas.

Penso em meus longos dias sem chapéus nem nuvens.

Penso em meus longos dias sem camisas nem sonhos.

Penso em meus longos dias com minha pele proibida.

Penso em meus longos dias.

Não passe, por favor. Isto é um clube.

A relação está cheia.

Não há vaga no hotel.

O senhor saiu.

Precisa-se de meninas.

Fraude nas eleições.

Grande baile para cegos.

Saiu o Prêmio Maior em Santa Clara.

Bingo para órfãos.

O cavalheiro está em Paris.

A senhora marquesa não recebe.

Enfim, e

que tudo recordo e como tudo recordo,

que porra me pede você pra fazer?

E, além do mais, pergunte-lhes.

Estou seguro que também

recordarão.

Deixe uma resposta