Categorizado | Campo, Destaque

1º Encontro de Assentados em São Paulo

Escrito em 14 dezembro 2010 por admin

O MST (Movimentos dos Trabalhadores Sem-Terra) organizou o 1º Encontro dos Assentados do estado de São Paulo entre 14 e 17 de novembro. O evento reuniu cerca de 700 trabalhadores e trabalhadoras rurais que fizeram um balanço da situação das áreas de Reforma Agrária, discutiram as perspectivas da pequena agricultura e construíram uma pauta de reivindicações para o próximo governo.

Algumas reivindicações dos trabalhadores e trabalhadoras assentados são:

- maior investimento para formação de assentamentos

- regularização das áreas

- o desenvolvimento de políticas públicas para comercialização dos alimentos

- exigência de assistência técnica qualificada e adequada à realidade dos assentamentos

- implantação de políticas públicas de educação, saúde e infra-estrutura nos assentamentos

Terra, trabalho, moradia, saúde, educação são direitos de todos e todas!

Vamos à luta!

Os números da injustiça

no campo brasileiro


CONCENTRAÇÃO DE TERRAS, LATIFÚNDIOS E IMPRODUTIVIDADE

Dos 600 milhões de hectares do território brasileiro registrados pelo INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária),

- 80 milhões de hectares estão ociosos

- 250 milhões de hectares são terras devolutas

- 285 milhões são latifúndios 62,2% dos agricultores cultivam apenas 7,9% de suas terras 27.556 latifundiários se beneficiam desta situação, fazendo da propriedade da terra uma reserva de valor da sua riqueza (especulação rural) 4.236 latifundiários possuem uma área de 85 milhões de hectares, enquanto 4,8 milhões de famílias são agricultores sem terra Uma única empresa – a construtora CR Almeida de Curitiba – possui, sozinha, 4,5 milhões de hectares – um recorde mundial da desigualdade! 30 milhões de hectares de terra são propriedade de empresas estrangeiras como, por exemplo, a Volkswagen.
CONDIÇÕES DE VIDA DA POPULAÇÃO NO CAMPO

15 milhões de agricultores (37% das famílias rurais) vivem abaixo da linha de pobreza

11% dos agricultores vivem somente de aposentadoria (R$ 510 por mês)

4,8 milhões de famílias são agricultores sem-terra

30 milhões de agricultores foram expulsos de suas terras entre 1970 e 1990

Entre 1994 e 2002, 450 mil famílias de agricultores foram em busca de uma nova perspectiva de vida nas cidades, o que, na maioria dos casos, contribui para o aumento das favelas, do desemprego e da miséria

AGRICULTURA FAMILIAR: COM POUCA TERRA PRODUZIMOS MUITO!

A agricultura familiar – cultivo da terra só com a força de trabalho de uma família – produz a maior parte da alimentação do brasileiro. As 4.139.369 propriedades agrícolas de agricultura familiar (85% dos agricultores brasileiros) são responsáveis por:

- 37,9% do PIB nacional

- 77% dos empregos rurais

- a maioria da produção de alimentos: 67% do feijão, 84% da mandioca, 49% do milho, 54% do leite, 58% dos suínos e 40% das aves e ovos.

1 Comentrios para este post

  1. fernanda Says:

    acho muita desigualdade social e e porisso que precisamos mudar algum coisa nesse pais com lutas para precionar o governo a tralhabalhar, pois sao um bando de ipocritas.

Deixe uma resposta