Arquivo | Mundo

charge 11 de setembro

Outro 11 de setembro: Chile 1973

Escrito em 24 novembro 2011 por admin


Não é só o 11 de setembro norte-americano que marca com sangue a História, em 1973, no Chile, nessa mesma data teve início o Golpe Militar que levaria o país a uma ditadura sob o comando de Augusto Pinochet.

Por Ironia do destino (ou não), o Golpe Militar no Chile teve ajuda dos Estados Unidos que eram contra o até então governo do presidente eleito pela maioria da população, Salvador Allende, que buscava fazer um governo popular, instaurando o socialismo no Chile. Para isso Allende já havia distribuído terras entre a população e colocado as fábricas sob controle operário. Assim o governo de Nixon, presidente dos EUA na época liberou mais de 10 milhões de dólares com o objetivo de junto com a CIA, acabar com o governo de Allende. Fez um embargo econômico contra o Chile e juntou-se com neofascistas chilenos para chegar ao seu propósito, bombardeando fábricas e centrais elétricas, tudo para gerar o caos entre a população chilena. Mesmo assim o povo foi a rua gritando: “Allende, Allende, o povo te defende”. Até que em 11 de setembro de 1973 o presidente Nixon dos EUA comandou um ataque aéreo ao palácio onde Allende e seus ministros estavam, matando-os. Teve assim início o Golpe Militar, com um saldo de mais de 30 mil mortos, inúmeros torturados e presos sem julgamentos, muitos tiveram que fugir de seu próprio país por medo. A Ditadura Militar no Chile durou 20 anos, e muitas poucas pessoas lembram das atrocidades desse outro 11 de setembro.

Comentário (0)

Repressão pra inglês ver!

Repressão pra inglês ver!

Escrito em 04 agosto 2011 por admin

Não é só por aqui que os movimentos sociais dos trabalhadores e estudantes são reprimidos. Mesmo em países ricos, como na Inglaterra, a polícia criminaliza manifestantes. Na onda de protestos em Londres que vem desde março, grupos que ocupavam lojas em ruas chiques foram presos, ainda que estivessem se manifestando pacificamente e sem danos às lojas. A polícia inglesa prendeu mais de 150 pessoas em um dia, e agora usa imagens das câmeras de segurança da cidade para prender ainda mais!

Mais de 250 mil pessoas saíram às ruas no dia 26 de março para protestar contra os cortes no orçamento do governo. A marcha foi organizada por vários setores da sociedade como sindicatos, organizações de estudantes e partidos políticos. Pessoas de todas as idades expressando sua indignação com os rumos de sua sociedade.

Esses cortes pretendem reduzir a ajuda à estudantes, idosos e às partes mais pobres e frágeis da população. Como sempre, enquanto os ricos pagam cada vez menos impostos, o povo perde seus direitos para equilibrar as contas. Ao mesmo tempo, o governo inglês gasta milhões de dólares em mísseis e bombas para sua “ajuda humanitária” na Líbia. Mas, em casa, o povo continua lutando, e mais protestos estão a caminho agora em maio!

Comentário (0)

Uruguai acaba com Lei de Anistia

Uruguai acaba com Lei de Anistia

Escrito em 04 agosto 2011 por admin

No começo de abril o Senado do Uruguai revogou a Lei de Anistia, o que provocou uma divisão na Frente Ampla, que é a coalizão centro-esquerda que governa o país. A “Lei de Caducidade Punitiva do Estado”, como é chamada a lei de anistia lá, isentava os militares e policiais de serem julgados por crimes cometidos durante a ditadura (1973- 1985).

A revogação foi aprovada por 17 votos a 16, o que mostra o quanto as forças ligadas ao regime militar ainda continuam no interior do Estado influenciando a política.

O deputado Felipe Michelini, filho do senador Zelmar Michelini, assassinado em Buenos Aires em 1976, considerou a votação de terça-feira “histórica”. “É preciso eliminar essa lei definitivamente do ordenamento jurídico uruguaio”, disse.

O presidente José Mujica está sofrendo pressões para vetar (proibir) essa aprovação de acabar com a Lei de Anista, mas prometeu que não o fará, caso ela passe na Câmara, por respeito às decisões do Congresso. “Sou contra os vetos presidenciais, por princípio”, disse.

O que é a Lei de anistia?

É a lei que perdoa e anula as condenações de todos aqueles que cometeram crimes políticos ou praticados por motivação política na época da ditadura.

No Uruguai ela se chama “Lei de Caducidade Punitiva do Estado” e perdoa os crimes cometidos até 1º de março de 1985 por militares e policiais, movidos por motivos políticos ou em cumprimento às suas funções e ordenadas por aqueles que atuaram durante o período.

E no Brasil?

No Brasil a ditadura durou de 1964 a 1985 e a Lei de Anistia foi feita dentro deste período, em 1979. Ou seja, os próprios envolvidos na ditadura já trataram de fazer uma lei que os perdoaria de todos os crimes que tivessem cometido. A lei continua válida até hoje.

Neste ano foi proposta uma “Comissão da verdade”, que buscaria esclarecer os casos de tortura, morte, desaparecimentos forçados, ocultação de cadáveres e quem foram os responsáveis por isso.

No entanto, mesmo sabendo quem foram os culpados, se a Lei de Anistia continuar em vigor, ela permite que os torturadores e militares ditadores continuem andando soltos por aí e às vezes inclusive ocupando cargos de decisão no governo.

Comentário (0)

Bombas não vão ajudar a revolução na Líbia!

Bombas não vão ajudar a revolução na Líbia!

Escrito em 18 abril 2011 por admin

Nos países árabes, o povo saiu às ruas para fazer a mudança acontecer. Na Líbia, não foi diferente: já faz um mês que uma crescente revolução popular tenta derrubar o ditador Gaddafi. Exigem democracia, o direito de escolherem o seu futuro, e melhores condições de vida.

O ditador não gostou e reagiu violentamente: a repressão do exército e mercenários foi violenta. Agora, uma guerra civil está acontecendo. O povo rebelde, concentrado na área leste do país, luta contra Gaddafi, mas as forcas do governo ganharam terreno e se aproximaram de Benghazi, a principal cidade dos revolucionários. Se Benghazi caísse, o que seria do povo nas mãos de Gaddafi?

As potências ocidentais, lideradas pelos E.U.A., Franca e Reino Unido, resolveram intervir: convenceram a ONU a permitir o bombardeio aéreo “humanitário” para “proteger civis” contra Gaddafi, no dia 19 de Marco. Disseram que não vão invadir a Líbia, mas como acreditar nos imperialistas? Não é coincidência que o leste do país seja a área mais rica em petróleo ou que já surgissem ex-ministros de Gaddafi querendo liderar a revolução. Querem roubar a revolta do povo e fazer com que ela não mexa nos interesses capitalistas das grandes potências.

Perguntas sobre a ajuda hipócrita!

Por que os imperialistas querem “ajudar” com bombas a revolta na Líbia? Por que não ajudar, então, a revolta no Iêmen? Lá, o povo na rua também está sendo assassinado por um presidente que está 30 anos no poder! Ou então a revolução no Bahrain, um pequeno país com muito petróleo e um governo repressivo? Ah, mas esses dois países são “importantes aliados ocidentais”, vendem petróleo e permitem bases americanas em seu território. Por que não mexer também na luta popular na Síria? Ou na dos palestinos contra Israel? A ajuda imperialista não dá nó sem ponto: “ajuda humanitária” serve pra garantir seus interesses, mais nada.

O ouro negro no norte da África

O Oriente Médio e o norte da África são duas regiões com muito petróleo. A Líbia e a Arábia Saudita, por exemplo, têm enormes reservas, que alimentam a economia global. A Europa depende desse combustível para tudo, e os E.U.A. também. Sem petróleo, a máquina capitalista pára, crises surgem, países quebram! Os imperialistas querem manter a parte do mundo que produz petróleo em rédeas bem curtas. Se tiver democracia, o povo desses países pode decidir aumentar o preço do óleo ou o nacionalizar, para melhorar suas vidas! Imagina o prejuízo! Melhor garantir algum amigo, ditador ou presidente vitalício, por lá, não?

Conheça mais a Líbia!

A Líbia é um país com um quinto da área do Brasil e seis milhões e meio de habitantes. Fica no norte da África e está entre os dez países com mais petróleo do mundo. Foi colônia turca e italiana, e é independente desde 1951. Em 1969, o jovem oficial do exército Muammar Gaddafi tomou o poder e está lá desde então. Durante seu governo, a Líbia virou o país da África com menos analfabetos e fez grandes projetos de irrigação para se poder plantar no deserto, a maior parte do país. Mas Gaddafi cada vez mais se aliou a interesses imperialistas, comprando armas em troca de petróleo, reprimindo o povo e se cercando de luxos, como um rei…

Comentário (0)

Cidade dos EUA em greve geral

Cidade dos EUA em greve geral

Escrito em 18 abril 2011 por admin

Nos EUA, na cidade de Wisconsin, o prefeito vem querendo destruir os direitos sindicais. Numa população de 200 mil pessoas, 100 mil foram às ruas para protestar. “Lutemos como os egípcios”, diziam eles.

Conseguiram ocupar o capitólio, que é a sede do Congresso. Sendo assim, o legislativo não podia mais agir.

O governo mandou a

polícia para acabar a ocupação. Quando os policiais chegaram no capitólio leram uma carta que dizia que a polícia era responsável por defender o povo, sendo assim iriam se juntar à ocupação. Nas costas de seus uniformes carregavam os dizeres: “Polícia pelos trabalhadores”.

Os trabalhadores que erguem os prédios e fazem as máquinas funcionarem. Se eles pararem, tudo para. Os trabalhadores têm o poder nas mãos. Temos que lutar pelos nossos direitos!

Comentário (0)

niveis

A questão da energia nuclear

Escrito em 18 abril 2011 por admin

A usina nuclear de Fukushima foi golpeada no dia 11 de março por um tsunami com ondas de até 15 metros. Reina ainda a insegurança por causa da grande radiação à que a população foi e ainda está exposta.

Uma usina nuclear transforma energia nuclear em energia elétrica.

Sua principal vantagem é que não precisa de combustíveis fósseis, que causam grande poluição e demoram pra se regenerar na natureza. Além disso, não necessita inundar grandes áreas, como é o caso da hidrelétrica.

No entanto em casos de vazamento nuclear todos os habitantes correm sérios riscos. Os efeitos da radiação para a saúde dependem do grau de exposição que a pessoa teve. Quando a radiação chega ao corpo pode causar queimaduras fortes ou até doenças graves como síndrome cerebral, leucemia, infertilidade ou até mesmo câncer.

No Japão, um país onde há um grande índice de terremotos, há cerca de 55 usinas nucleares em funcionamento.

Comentário (0)

Israel decide ocupar mais territórios árabes

Israel decide ocupar mais territórios árabes

Escrito em 30 março 2011 por admin

Cinco membros de uma família judia foram mortos em uma colônia do norte da Cisjordânia (território árabe-palestino). Mesmo sem ainda ter identificado os autores dos assassinatos, Israel respondeu à ação criminosa autorizando a construção de centenas de moradias de judeus no território árabe-palestino.

Desde 2009, Israel já demoliu mais de 20 mil casas de cidadãos não-judeus e constantemente tenta ocupar a Cisjordânia criando cada vez mais assentamentos judaicos ali dentro.

“A Autoridade Palestina condena energicamente a decisão do governo israelense de acelerar a construção de moradias nas colônias”, declarou o chefe dos negociadores palestinos, Saeb Erakat.

Comentário (0)

Revolução nos países árabes

Revolução nos países árabes

Escrito em 30 março 2011 por admin

Depois do povo da Tunísia conseguir tirar o ditador Ben Ali do poder, todo o mundo árabe começou a se agitar. Começaram a revoluções no Egito, Argélia e Iêmen. Viram que era possível  juntar o povo para lutar por condições melhores e tirar ditadores que estavam há décadas no poder.
Tudo começou quando na Tunísia um homem que já possuía diploma universitário, mas que não conseguia arranjar emprego, abriu uma lojinha. Policiais vieram e falaram que ele não podia ter uma loja ali. Destruíram toda a loja e depois deram um tapa em sua cara. Ele foi para o meio da praça e colocou fogo em seu próprio corpo. Todos saíram às ruas, as lojas em volta se fecharam e começaram uma manifestação.
Claro que isso só foi a gota d´agua. Toda essa revolta é uma reação contra as péssimas condições de vida provocadas pela crise mundial, contra o terror cotidiano de viver sob uma ditadura, contra o desemprego crescente, contra a ameaça de ser demitido a qualquer momento ou de ser preso ou morto se mostrar o descontentamento contra os abusos de uma polícia corrupta. A luta dos povos árabes é para que eles possam viver em condições de dignidade.
O povo árabe mostrou ao mundo qual o melhor caminho para a mudança: sair às ruas.

Comentários (4)

grecia

Grécia volta a pegar fogo!

Escrito em 01 fevereiro 2011 por admin

Trabalhadores voltam a parar as ruas na Grécia. O governo anunciou que vai cortar a verba que garantem muitos direitos públicos por lá. O governo começou quer aprovar um corte nos salários dos trabalhadores das empresas estatais. Também querem aumentar a força dos patrões nas negociações com os trabalhadores. Quem vai se ferrar? Os trabalhadores.

Contra essas medidas os trabalhadores param os ônibus públicos em todo o país. O metrô ficou parado por seis horas. Os funcionários da emissora estatal ERT participaram da greve. Os trabalhadores do banco estatal ATEbank fizeram 24 horas de paralisações.

Comentário (0)

israel

O Estado de Israel começa a destruir casas de pobres na Palestina

Escrito em 01 fevereiro 2011 por admin

Depois de massacrar os pobres na faixa de Gaza, o Estado de Israel começa a destruir as casas de palestinos pobres. Primeiro começaram a arrancar as terras de palestinos pobres na faixa de Gaza. Depois começaram a avançar para tirar palestinos de todo o território. Por causa disso começaram a destruir as casas.

Um fazendeiro palestino observa um prédio demolido pelo Exército israelense na aldeia de Jiftlik, norte de Jericó

Comentário (0)